Decidimos acampar na serra durante o fim de semana da Páscoa, sabe o que aconteceu?  Fizemos a Travessia Petrópolis x Teresópolis, começando do lado de Teresópolis, uma experiência única.

TERESÓPOLIS – PEDRA DO SINO

A Pedra do Sino é a montanha mais alta da Serra dos Órgãos com seus 2.275 metros, o caminho até lá possui cerca de 12 km e leva cerca de 6-7 horas para ser concluído.

A trilha a noite é incrivelmente desafiadora, apenas com as luzes de nossas lanternas a subida foi ao mesmo tempo tensa e gostosa de ser feita. As luzes da cidade e da lua dão um show ao longo da trilha. Chegar ao abrigo 4 apenas com a luz das nossas lanternas foi mágico. Com os sentidos mais aguçados e os barulhos da mata a trilha a noite tem um sabor especial para nós.

Partimos da base de Teresópois as 19h e chegamos ao abrigo 4 as 02h da manhã de sábado. Corpos exaustos após 7 horas de subida, armamos a barraca e dormimos.

PEDRA DO SINO – CASTELOS DO AÇU

Dormimos cerca de 5 horas, foi pouco mas é o suficiente para o segundo dia de travessia, desta vez são 8 km atravessando um total de 5 montanhas para chegar até o abrigo do Açu. Os montanhistas do abrigo 4 nos avisaram que essa seria a parte mais difícil da travessia.

O primeiro ponto da trilha com um desafio elevado, é o ponto chamado de Cavalinho ( só descobrimos o nome do trecho após sermos questionados por outros montanhistas sobre como haviamos superado aquele trecho).  O “temido” cavalinho foi resolvido com alguns minutos de estudo, passamos sem utilização de nenhum equipamento de escalada. Com certeza essa é a etapa mais desafiadora entre a pedra do Sino e os Castelos do Açu.

O tempo lá em cima é imprevisível, nesse período do ano as chuva e a forte neblina são fatores que devem ser considerados durante a travessia. Essas mudanças climáticas repentinas geram atenção extra gera um estresse natural nos montanhistas que não pode atrapalhar o desempenho durante a trilha.

Fizemos a contagem errada de montanhas, achamos que estávamos subindo a quinta montanha quando na verdade estávamos na quarta.

A chuva apertou estamos prestes a subir a quinta montanha, não temos como nos abrigar e com isso precisamos acelerar o passo para atravessar a montanha rapidamente. A subida é íngreme e com a chuva a pedra vira um escorrega, é preciso ter muita atenção a cada pisada.

Superada a montanha andamos mais alguns minutos e avistamos o telhado do abrigo do açu, alívio! Caminhamos encharcados para armar a barraca e descansar.

CASTELOS DO AÇU – PETRÓPOLIS

O dia amanhece lindo, o sol ajuda a secar a trilha, o que torna a descida de 8 km bem mais tranquila.

Durante o caminho cruzamos por uma cachoeira linda chamada Véu da Noiva, aliás, acho que toda cachoeira se chama Véu da Noiva, why god? (risos)  O banho na água  límpida e gelada ajuda a reenergizar os corpos cansados e os pés doloridos após uma longa travessia.

Ao cruzar a entrada do Parque do lado de Petrópolis, a felicidade de ambos é gigante, completamos uma travessia belíssima e desafiadora sem guia e sem o auxilio de equipamentos!


 

DICAS PARA SUA TRAVESSIA

Quando subir: Os melhores meses para subir são: Maio, Junho e Julho, época com menos chuva e tempo mais estável na Serra dos Orgãos.

O que vestir: Roupas que secam rápido ( Calça de caminhada e casaco impermeável). Goro e luvas são aconselháveis para quem é sensível ao frio.  Os calçados devem ser te preferência botas de trekking, elas são essenciais para uma travessia segura, a chuva pode criar lama em alguns pontos da trilha uma bota vai te ajudar.

O que levar na Mochila: Comida: barras de chocolate, frutas e cereais são aconselháveis. Leve comida de fácil cozimento. Itens: lanterna de cabeça, faca, isqueiro, fogareiro, panela, caneca, talheres.

Onde dormir: Nos abrigos é possível acampar ou alugar um quarto do abrigo. Mas lembre-se tudo deve ser previamente comprado antes de subir.

Como fazer a travessia sem guia: Se você possui experiência em trilhas e montanhas, orientação geográfica e tranquilidade em caminhar sozinho, é totalmente possível fazer a travessia como nós fizemos. Existem totens e algumas setas por toda a travessia.

Cavalinho e Elevador sem equipamentos: Esses são os dois pontos da trilha que causam medo em muitos aventureiros, não há com o que se preocupar, é preciso manter a calma e analisar o obstáculo a ser superado, cada pessoa encontra a maneira mais confiante e segura para ultrapassa-lo, não tenha pressa, com calma e senso de escalada é possível superar ambos obstáculos de forma tranquila e sem utilizar nenhuma corda de escalada.

 

QUAL SERÁ A PRÓXIMA AVENTURA DO MELEVATRIP?

Share This